Televendas: 0800 081 1911
perfil-do-consumidor

Pandemia: conheça as principais mudanças no perfil do consumidor


A pandemia do coronavírus alterou a rotina de pessoas ao redor do mundo. Esse período prolongado de dificuldades com a saúde pública teve impacto no consumo e no perfil do consumidor de todos os segmentos de negócios.

Nas áreas farmacêutica e de beleza não foi diferente. Mudanças de rotina trazem mudanças de hábitos, e o consumo de produtos se modifica. Alguns têm quedas, outros veem suas vendas aumentarem.

Neste artigo, vamos abordar as mudanças no perfil do consumidor e trazer informações para ajudar a você a proteger seu negócio e vender mais nesses tempos de pandemia.

O que entender do perfil do consumidor?

Quando o assunto é saúde, as pessoas tendem a ser muito cautelosas. É um tema sensível que assusta muita gente e requer cuidados extras. Nada mais justo quando é a vida que está em jogo. Este cenário modifica o cotidiano, e os hábitos de consumo são bem afetados.

Isso abre muitas oportunidades para quem conseguir suprir as necessidades das pessoas nesse momento particular. Nesse sentido, o esforço maior é para entender o que mudou na vida das pessoas e como elas estão agindo neste momento. Veja o que considerar.

1. Aposta no online

Um movimento até óbvio das pessoas foi entrar de vez no ambiente virtual. O isolamento social impôs ao consumidor buscar alternativas na internet para quase tudo. Desde o trabalho em home office até o comércio eletrônico. O resultado é um maior protagonismo do online em qualquer tipo de empresa.

Porém, nem todos precisam modificar totalmente seus modelos de negócios. Adaptações podem ser feitas para atender à distância, como aderir a aplicativos de delivery e WhatsApp Business por exemplo. São alternativas para esse novo comportamento das pessoas.

O certo é que o consumidor está descentralizado e mais online do que nunca. Para alcançá-lo, empresas intensificam a comunicação nas mídias sociais, que têm funcionado como vitrine e muitas vezes como ponto de venda de produtos e serviços.

2. Cuidados com a saúde

De acordo com o Sebrae de Minas Gerais, o consumo de produtos de higiene pessoal cresceu 45% durante os períodos de quarentena. O mesmo aconteceu com os de limpeza. Este é um reflexo da valorização da saúde, que requer uma reorientação do consumo.

O cuidado pessoal e com o ambiente abre espaço para a comercialização de novos tipos de produto, como o já popular álcool em gel e luvas de látex e máscaras descartáveis. O mix de produtos deve acompanhar essas demandas novas do consumidor atual.

O mesmo vale para a saúde preventiva. A ausência de atividades físicas e o receio de contrair enfermidades fazem aumentar a procura por complexos de vitaminas, antigripais e produtos de nutrição. Por isso, a vitrine para esses produtos tende a aumentar cada vez mais.

3. Busca por qualidade de vida

Os negócios que têm relação direta com a saúde e o bem-estar podem oferecer sempre algo a mais para o novo perfil do consumidor. Muitas pessoas aproveitaram o isolamento social para reprogramar suas vidas. Assim, muitos entraram em dietas e procuraram alternativas saudáveis para a alimentação.

Os produtos de nutrição levam vantagem nessa hora. Além do aumento de procura, espera-se a manutenção desse novo comportamento, o que gera vendas recorrentes de suplementos e vitamínicos. De acordo com pesquisa do instituto Kantar, 27% das pessoas afirmam consideram adquirir alimentos mais nutritivos e saudáveis. É um bom indício.

4. Beleza em alta

Uma pesquisa encomendada pela L’Oreal mostra que a impossibilidade de viagens internacionais vai levar os brasileiros a comprar produtos de beleza no mercado brasileiro. A procura só aumenta por esses itens.

E engana-se quem acha que a área de beleza está sofrendo. O Painel de Dados de Mercado da Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos (ABIHPEC) não mente. Confira os números do crescimento do setor de higiene pessoal, perfumaria e cosméticos de janeiro a outubro de 2020, que teve um aumento de vendas em 6% em 10 meses:

  • 5% em higiene pessoal
  • 9,3% no segmento de perfumaria
  • 1,2% em cosméticos
  • 15,2% em tissue 

São números animadores para o setor e dão segurança para a continuidade dos investimentos.

Conclusão

A palavra-chave é conveniência. A internet ocupa um lugar central na descoberta de novos produtos e para o atendimento, compra e entrega.  São soluções que entram como alternativa e logo se tornam a principal janela de oportunidades para empreendedores de todos os segmentos. 

O perfil do consumidor nos tempos de pandemia aponta para o investimento em qualidade de vida. Isso inclui cuidar da beleza, do corpo e da rotina como um todo. E sua empresa pode fazer parte disso.

Assine a nossa newsletter para receber nossos artigos no seu e-mail.

Leia também

    Nenhum post relacionado

Receba notícias e informações exclusivas da nossa empresa. Cadastre-se. É simples!